Principais noticias 06/10/2021

Criptos hoje: Bitcoin ultrapassa US$ 52 mil em meio a temores de inflação e mais notícias



Bitcoin é uma das criptomoedas que mais sobem no dia em mais um movimento sem correlação com bolsas globais


O Bitcoin (BTC) amanheceu esta quarta-feira (6) em estabilidade, mas logo iniciou nova alta e ultrapassou os US$ 52 mil pela primeira vez desde a primeira semana de setembro em meio à volta do temor de escalada da inflação global. Às 9h48, a criptomoeda subia 5,2%, para US$ 52.476, em alta que já alcança 28,4% em uma semana.


O movimento positivo se espalha pela maioria das criptomoedas entre as 100 com maior valor de mercado e recupera praticamente todos os US$ 70 bilhões que haviam sido perdidos nas primeiras horas do dia, levando a capitalização para US$ 2,3 trilhões.


O mercado de criptomoedas segue descorrelacionado com as ações globais, que caem em meio à expectativa de retirada dos estímulos do governo dos EUA, cujos títulos do Tesouro voltam a subir e provocam fuga de ativos de risco, o que por ora vem poupando o Bitcoin.


13 criptomoedas de menor valor de mercado que abriram o dia com queda de dois dígitos reduzem as perdas e apenas uma recua 10%. Na outra ponta, o destaque positivo segue com a Shiba Inu (SHIB), que surgiu de um meme assim como a Dogecoin (DOGE) e dispara 45,5% nas últimas 24 horas e 226% na semana.


Já os criptoativos no topo do ranking global crescem menos que o Bitcoin ou entram em terreno negativo, como é o caso da Binance Coin (BNB), que recua 2,4%, e da Cardano (ADA), que perde 2,3%. Já a Solana (SOL), sétima mais valiosa do mundo, é negociada a -7,2%, por US$ 156.


O momento de recuperação vem após o Senado dos Estados Unidos receber uma nova proposta de lei para investigar o papel das criptomoedas em golpes de ransomware. O projeto prevê que as vítimas de ataques de ransomware revelem informações sobre pagamentos a hackers ao Departamento de Segurança Interna (DHS, na sigla em inglês).

Por outro lado, o family office de George Soros confirmou possuir Bitcoin e a lista de mais ricos da Forbes destacou empreendedores do setor de criptomoedas: todos os seis novatos do ranking fizeram fortuna com moedas digitais.


Fonte: InfoMoney


Ibovespa futuro tem queda de mais de 1% com novos temores sobre inflação global; dólar é negociado acima de R$ 5,50


O Ibovespa futuro abriu em baixa e sinaliza que a Bolsa brasileira deve começar a sessão desta quarta-feira (6) dando continuidade a perdas recentes. Os rendimentos dos títulos do Tesouro americano voltam a subir. A rentabilidade desses ativos reflete a perspectiva de retirada de estímulos (tapering) nos Estados Unidos e elevação da taxa de juros mais cedo do que se imaginava – uma resposta ao avanço da inflação na maior economia do mundo. É também um indicador de maior aversão ao risco e, consequentemente, de fuga do mercado de ações.


No Brasil, o Índice Geral de Preços (IGP-DI), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), caiu 0,55% em setembro, desacelerando em relação a agosto. A queda de preço das commodities no período, com destaque para o minério de ferro, contribuiu com esse desempenho. No entanto, o índice acumula alta de 15,12% no ano e 23,43% em 12 meses.


As vendas no varejo, dado esperado por ser um indicador de recuperação da economia pós-pandemia decepcionou, recuando 3,1% em agosto na comparação com julho. A expectativa era de alta de 0,7%.


Por aqui, as preocupações com a política fiscal e o entrave para o andamento de reformas seguem influenciando os negócios. Os ruídos políticos também continuam. O ministro da Economia, Paulo Guedes, aceitou o convite do Senado para dar explicações sobre investimentos que ele possui em empresas no exterior (offshore). Os negócios de Gudes fora do Brasil foram revelados em uma série de reportagens investigativas chamada Pandora Papers, publicada no início desta semana. Os jornalistas apuraram que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também possuía investimentos em offshores. Ele também foi convidado a prestar esclarecimentos ao Senado.


Às 9h24 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro com vencimento em outubro de 2021 recuava 1,41%, aos 108.760 pontos.


O dólar comercial, que ontem chegou ao maior patamar em seis meses, amplia ganhos e sobe 0,58% a R$ 5,516 na compra e R$ 5,517 na venda. O dólar futuro com vencimento em novembro de 2021 subia 0,59%, a R$ 5,533.


No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 operava estável, a 7,25%; DI para janeiro de 2023 avançava quatro pontos-base, a 9,30%; DI para janeiro de 2025 também subia quatro pontos-base a 10,33%; e o DI para janeiro de 2027 registrava variação negativa de quatro pontos-base a 10,72%.


Em Nova York, os índices futuros estão praticamente zerando os ganhos obtidos pela Bolsa na sessão da véspera. Às 9h (horário de Brasília), o Dow Jones futuro recuava 0,97%; o S&P 500 futuro caía 1,11% e o Nasdaq futuro tinha variação negativa de 1,23%. As ações do setor de tecnologia voltam a ter destaque de queda, pois são empresas em processo de expansão e que têm seus custos elevados quando os juros sobem.


Em meio a tantas preocupações, um dado positivo: os Estados Unidos criaram 568 mil empregos no setor privado em setembro, acima das expectativas dos analistas. O número é visto como prévia do payroll, que vai ser divulgado na próxima sexta-feira (8) e é o dado mais aguardado da semana.


Ontem, os preços do petróleo em alta ajudaram na valorização de empresas do setor. Hoje, porém, os investidores olham para o avanço da matéria-prima como uma pressão extra à inflação global. Os futuros do petróleo devolvem parte dos ganhos da véspera, mas o barril do Brent para dezembro de 2021 segue negociado a mais de US$ 82 e o do WTI, para novembro de 2021, acima de US$ 78.


Leia mais: Lira diz que preço da gasolina pode cair 8% com votação do ICMS

“Sinais de que o petróleo deve continuar sua escalada de alta e o abandono do governo Joe Biden à extração do óleo de xisto nos EUA incrementam os temores de que a inflação de energia se firme como o novo elemento de disrupção no mercado”, destaca a Infinity Asset.


Na Europa, os preços do gás natural subiram em torno de 400% desde o início deste ano. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, diz que o país está preparado para ajudar a estabilizar o mercado global de energia. Os russos são fornecedores de gás natural da Europa e Ásia.


Enquanto isso, as vendas no varejo da zona do Euro avançaram 0,3% em agosto, desacelerando em relação ao mês anterior. O indicador veio mais fraco que o esperado, com a redução de consumo de itens como alimentos, bebidas e tabaco.


As bolsas europeias recuam forte. Às 9h (horário de Brasília), o Stoxx 600, que reúne empresas de 17 países europeus em setores-chave caia 1,65%. A Bolsa de Londres (FTSE100) tinha variação negativa de 1,53% e a de Frankfurt (DAX) operava em baixa de 1,92%.


No Japão, o Nikkei fechou com a menor pontuação em seis semanas, com queda de 1,05%; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 1,82%; em Hong Kong, o índice Hang Seng recuou 0,6%. Na China continental, as bolsas permaneceram fechadas por conta de um feriado.

A difícil situação financeira do conglomerado chinês Evergrande continua no radar. A empresa pode vender uma de suas subsidiárias e por isso os negócios com ações da companhia estão suspensos na Bolsa de Hong Kong. A saúde financeira de outras incorporadoras chinesas também preocupa, pois o setor imobiliário responde por 15% do PIB chinês.


Radar corporativo


PetroRio (PRIO3)

A PetroRio informou ter produzido 31.044 barris de óleo equivalente por dia (boed) em setembro, 7,6% menor frente os 33.593 barris produzidos em agosto. Do total do mês passado, 15.988 barris foram produzidos no Campo de Frade, enquanto a produção do Campo de Polvo junto com o Campo de Tubarão Martelo, em setembro, totalizou 13.390 boed, afetada pela produção interrompida em dois poços por falhas na bomba centrífuga submersa (BCS).


Enauta (ENAT3)

A Enauta comunica que sua produção total de óleo e gás atingiu 675,6 mil barris de óleo equivalente em setembro. A produção média diária no período foi de 22,5 mil boe.


Rede D’Or (RDOR3)

A Rede D’Or informou que adquiriu o Hospital Aeroporto, em Lauro de Freitas/BA, pelo valor de firma (firm value) é R$ 230 milhões.

A previsão de Ebitda para o Hospital Aeroporto é de R$ 20 milhões para os 12 meses subsequentes à operação, com parte das sinergias incorporadas. Segundo a Rede d’Or em fato relevante, o negócio “reforça o compromisso” da instituição com a sua estratégia de expansão e visão de longo prazo.


Gol (GOLL4)

A Gol divulgou que a demanda por seus voos foi 36,8% maior em setembro do que um ano antes, quando a empresa e todo o setor aéreo ainda sofriam maiores impactos causados pela pandemia.

Na comparação com agosto, a demanda subiu 0,7% enquanto a oferta teve incremento de 2,1%, segundo dados divulgados pela empresa no mês passado. A companhia afirmou que no terceiro trimestre a demanda foi 87,5% maior que a registrada de julho a setembro de 2020 e que sua oferta de assentos subiu 38,1% em setembro e 82,5% no terceiro trimestre, nos comparativos anuais.


Santander Brasil (SANB11)

As ações da empresa de meios de pagamento Getnet começarão a ser negociadas na B3 no dia 18 de outubro. O código de negociação dos papéis será GETT3 para as ações ordinárias (que dão direito a voto), GETT4 para as ações preferenciais (que dão direito a preferência no recebimento de dividendos) e GETT11 para as units (agrupamentos de diferentes tipos de papéis).


Já na Nasdaq, os ADS (na prática, as ações da empresa negociadas nas bolsas dos Estados Unidos) da Getnet começam a ser negociados a partir do dia 22 de outubro sob o código GET.


Como a Getnet nasceu como um braço de pagamentos do Santander Brasil, os acionistas do banco receberão em 15 de outubro 0,25 ação ordinária, preferencial e unit da Getnet para cada ação ordinária, preferencial ou Unit emitida pelo Santander Brasil.


Vale (VALE3)

A Vale informou que suspendeu a produção de cobre na mina do Salobo, no município de Marabá (PA) após incêndio. Segundo a companhia, ele foi controlado por equipes de emergência e não houve vítimas ou danos ambientais. “O local afetado passa por avaliação e as causas do incêndio estão sendo apuradas”, afirma a empresa em comunicado ao mercado.


Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras planeja investir cerca de US$ 1,5 bilhão para perfurar 14 poços na margem equatorial do Brasil, nos próximos cinco anos. A região é considerada de alta sensibilidade ambiental e, por isso, empresas petrolíferas que adquiriram áreas exploratórias nessa bacia acabaram não conseguindo avançar nos projetos por falta de licenciamento. Segundo a empresa, o Ibama deve liberar a autorização para que ela perfure no local em breve.


Méliuz (CASH3)

O Méliuz divulgou sua prévia de dados operacionais referente ao terceiro trimestre de 2021. A companhia finalizou o trimestre com um total de 20,8 milhões de contas abertas, um crescimento de 2,0 milhões em relação ao segundo trimestre, quando atingiu 18,8 milhões, e de 9,1 milhões em relação ao mesmo período do ano anterior, quando alcançamos 11,6 milhões.


“No terceiro trimestre de 2021 tivemos um ritmo médio de abertura de 30 mil contas por dia útil, contra 39 mil no segundo trimestre. Essa redução foi consequência da estratégia anunciada durante a divulgação do resultado do segundo trimestre quanto à priorização do desenvolvimento do novo cartão Méliuz, cujo lançamento está previsto para janeiro de 2022”, aponta a companhia.


Ela ressalta que, desde essa tomada de decisão, que ocorreu no meio do terceiro trimestre, os investimentos esperados para a aquisição do cartão co-branded foram alocados em campanhas de marketing focadas no crescimento da vertical de shopping. “Uma vez que o novo App e o novo cartão Méliuz forem lançados, a expectativa é que o número de contas abertas por dia útil retorne ou supere a média apresentada ao longo do primeiro semestre de 2021”, apontou.


Fonte: InfoMoney


Dólar supera R$ 5,52 na máxima do dia com temores globais de inflação


O chegou a superar os 5,52 reais na máxima do pregão desta quarta-feira, embora já tenha arrefecido a alta desde então, com temores globais de inflação antecipando as expectativas dos investidores sobre elevações de juros nas principais economias.

Às 10:19, o dólar avançava 0,44%, a 5,5090 reais na venda, depois de tocar 5,5226 reais no pico do dia, alta de 0,69%. O dólar futuro de maior liquidez subia 0,37%, a 5,522 reais.


A moeda norte-americana também apresentava valorização nos mercados de câmbio mais amplos, avançando 0,33% contra uma cesta de seis rivais fortes devido aos patamares elevados dos preços do petróleo, que atingiram máximas em sete anos recentemente.


O salto nos preços de energia elevava temores de persistência da inflação elevada nas economias avançadas, o que poderia levar os principais bancos centrais a apertarem sua política monetária antes do esperado de forma a segurar a pressão. Isso, por sua vez, reduziria o diferencial de juros entre países desenvolvidos e emergentes, o que tenderia a beneficiar o dólar.


Peso mexicano, lira turca, rand sul-africano e dólar australiano, alguns dos principais pares do real, registravam perdas expressivas nesta manhã, acompanhando ainda os patamares elevados dos rendimentos dos títulos dos Estados Unidos. “Isso fortalece o dólar globalmente”, disse Alexandre Espirito Santo, economista-chefe da Órama Investimentos.


Além do clima já azedo no exterior, dados desta quarta-feira mostraram que as vendas no varejo brasileiro tiveram queda de 3,1% em agosto na comparação com julho e recuaram 4,1% sobre um ano antes, resultado bem abaixo da expectativa dos mercados. Segundo Samuel Cunha, economista da assessoria de investimentos H3 Invest, isso prejudicava o desempenho dos ativos domésticos.


E o Brasil também segue com suas costumeiras incertezas locais, como atrasos e decepções na agenda reformista do governo, desconforto fiscal e perspectiva de aumento da temperatura na política com a aproximação das eleições de 2022, disse Espirito Santo, da Órama. A tudo isso, continuou, soma-se o aumento sazonal na demanda por dólares, comum no final do ano.


Nesse contexto, o economista espera que o dólar encerre o ano entre 5,20 e 5,30 reais, podendo chegar a até 5,70 reais no final de 2022, uma vez que, “historicamente, o dólar sobe em ano de eleição”. Segundo ele, até mesmo a elevação da taxa Selic — que tende a beneficiar o real — terá impacto limitado sobre o câmbio, devendo apenas “ajudar a conter valorização maior do dólar.”


De olho nas tendências de alta do dólar de fim do ano, o Banco Central já tem realizado leilões de swap cambial tradicional duas vezes por semana, mas, se a moeda dos EUA ficar muito acima dos 5,50 reais, “não descarto que o BC faça leilões de linha ou até venda de reservas”, disse Espirito Santo.


Na véspera, o dólar à vista subiu 0,71%, a 5,4849 reais, nível mais alto desde 23 de abril (5,4967 reais).


Fonte: MoneyTimes



1 visualização0 comentário