Principais noticias 05/10/2021

Ibovespa futuro abre em alta com mercado de “ressaca” no exterior; Facebook recupera parte das perdas nos EUA


Ações de tecnologia se recuperam no exterior; Facebook volta a subir após pane que custou à empresa mais de US$ 45 bilhões em valor de mercado


Depois de uma segunda-feira caótica, sem redes sociais e com Bolsas em queda, o Ibovespa futuro abriu em alta, aproveitando um momento de alívio. De ressaca, os mercados lá fora também se recuperam parcialmente do tombo da véspera, ainda que sem muitas notícias positivas que sustentem esse cenário. Ontem, o Ibovespa apagou os ganhos da última sexta-feira e apenas quatro empresas do índice fecharam o pregão em alta.


O Facebook pediu desculpas publicamente após ficar fora do ar por mais de seis horas, prejudicando negócios no mundo todo. Bilhões de usuários ficaram sem acesso à rede social, ao Instagram e ao Whatsapp. As ações da empresa fecharam em queda de quase 5% na sessão de ontem, mas voltam a subir hoje no pré-mercado. O Facebook informou que houve um erro de configuração interna, negou a hipótese de um ataque cibernético e descartou vazamento de dados.


No Congresso americano, parlamentares continuam a discutir a possibilidade de elevação ou suspensão do limite de endividamento dos Estados Unidos. Na semana passada, o Departamento do Tesouro alertou que os legisladores precisam chegar a um acordo até 18 de outubro. A secretária Janet Yellen voltou a dizer agora de manhã que caso esse prazo não seja cumprido, a economia americana poderá cair em recessão.


Aqui no Brasil saiu, agora há a pouco, o dado de produção industrial, com queda de 0,7% em agosto frente julho, dado pior do que o esperado e na terceira baixa seguida. Nesse período, houve perda acumulada de 2,3%. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Às 9h05 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro com vencimento em outubro de 2021 operava em alta de 0,52% aos 110.935 pontos.


O dólar comercial caia 0,15%, a R$ 5,438 na compra e na venda. O dólar futuro com vencimento em novembro de 2021 recuava 0,34% a R$ 5,459.


No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 tinha baixa de um ponto-base, a 7,21%; DI para janeiro de 2023 recuava quatro pontos-base, a 9,18%; DI para janeiro de 2025 também caía quatro pontos-base a 10,21%; e o DI para janeiro de 2027 registrava variação negativa de dois pontos-base a 10,61%


Em Nova York, os índices futuros das Bolsas apontam abertura em alta para os mercados. As ações do setor de tecnologia, as mais penalizadas com a queda de ontem, voltam a subir. Com a pane do Facebook, estima-se que a empresa tenha perdido mais de US$ 45 bilhões em valor de mercado num único dia. Agora há pouco, as ações que fecharam em US$ 326,23 na véspera, já estavam sendo negociadas acima de US$ 330.

Nesta manhã, o Dow Jones futuro operava em alta de 0,45%; o S&P 500 futuro avançava 0,43%; e o Nasdaq futuro tinha variação positiva de 0,41%.


As bolsas na Europa também aproveitam o momento de alívio no mercado e recuperam parte das perdas da véspera. O Stoxx 600, que reúne empresas de 17 países europeus em setores-chave caiu ontem para o menor patamar em três meses, mas hoje sobe 0,73%. A Bolsa de Londres (FTSE100) avança 0,72% e Frankfurt (DAX) tem alta de 0,42%.

Os preços do petróleo voltam a subir agora de manhã, depois que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+) manteve o nível de produção para novembro em 400 mil barris de petróleo por dia.


A expectativa era que a oferta fosse maior, com preocupações de que o alto preço da matéria-prima contribua com a inflação global e a seja obstáculo à retomada econômica pós-pandemia. Analistas ouvidos pela CNBC acreditam que os preços podem chegar a US$ 100.


O preço do Brent, para dezembro de 2021, agora oscila próximo de US$ 82. O WTI, para novembro de 2021, passa dos US$ 78.


Aqui no Brasil, Paulo Guedes, ministro da Economia, disse ontem em um evento no Tribunal de Contas da União (TCU) que o governo discute a possibilidade de capitalizar um fundo de estabilização dos preços de combustíveis com ações da estatal Pré-Sal Petróleo (PPSA) ou com ações que o BNDES tenha na Petrobras.


Guedes e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, poderão ser investigados pela Procuradoria-Geral da República (PGR). A PGR informou na segunda-feira que vai abrir apurações preliminares para investigar offshores ligadas a ambos, citadas em reportagens do caso “Pandora Papers”.


Uma das questões a serem verificadas é se essas pessoas, em tese, teriam alguma limitação em função dos cargos que ocupam para manter essas contas, informou a PGR.

Um vazamento de documentos financeiros publicados por várias organizações noticiosas no domingo supostamente ligam líderes e autoridades de todo o mundo a recursos depositados em paraísos fiscais, entre eles o rei Abdullah da Jordânia, o primeiro-ministro tcheco, Andrej Babis, e associados do presidente russo, Vladimir Putin, assim como Guedes e Campos Neto.


Na Ásia, boa parte das Bolsas fechou em queda, ainda repercutindo os maus resultados dos índices nos Estados Unidos na véspera.


No Japão, o Nikkei recuou 2,19%; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 1,89%; em Hong Kong, o índice Hang Seng ganhou 0,5%. Na China continental, os mercados permaneceram fechados por conta de um feriado.


As ações de Evergrande, gigante do setor imobiliário chinês, continuam com negociações interrompidas. A empresa deve vender alguns de seus ativos na tentativa de aliviar a dívida de aproximadamente US$ 300 bilhões de dólares. Porém, a situação de outras duas empresas do segmento de imóveis na China também preocupam: a Fantasia Holdings e a Sinic Holdings estão com o caixa apertado e não estão pagando suas dívidas. Analistas estimam que o setor imobiliário responda a 15% do PIB chinês.


Radar corporativo


Oi (OIBR3;OIBR4)

O conselho de administração da Oi aprovou a proposta para venda de imóvel em Brasília por R$ 100 milhões.

O imóvel tem uma área de terreno de aproximadamente 152.000 metros quadrados e área construída de 34.645 metros quadrados, informou a empresa. A proposta foi feita pela DFC Empreendimentos e Participações e Meirelles Mascarenhas Empreendimentos Imobiliários.


Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3)

A XP iniciou a cobertura do setor de telecomunicações do Brasil (ISPs) com recomendação de compra em Unifique (preço-alvo de R$ 13) e Brisanet (preço-alvo de R$ 17 por ação).

“As recomendações são apoiadas principalmente por: (i) nossa perspectiva positiva para o setor de provedor de serviços de internet (ISP) brasileiro; (ii) forte dinâmica de crescimento e (iii) Execução operacional de alto nível em ambas as empresas, traduzindo-se em maior margem e rentabilidade. Em suma, Unifique é a nossa escolha preferida no setor, dado o risco-retorno atraente nos múltiplos atuais”, apontam os analistas da XP.


Eletromídia (ELMD3)

A Eletromídia concluiu a aquisição da NoAlvo, startup brasileira focada no setor de mídia out-of-home (OOH). A empresa é provedora de uma plataforma que conta com um sistema de planejamento de campanhas, que cruza dados geolocalizados de dispositivos móveis com os pontos físicos de mídia, de forma que é possível determinar os endereços para se anunciar considerando um determinado público-alvo, proporcionando dados e métricas para os anunciantes. O valor da operação não foi informado.


Segundo a companhia, a transação trará sinergias importantes, em que a Eletromidia poderá alavancar suas vendas com a expansão da presença em sua base atual de clientes através de uma melhor experiência de planejamento, venda e pós-venda; acessar novos clientes que não investem de forma relevante em mídia OOH pela falta de métricas disponibilizadas; e complementar seu time de tecnologia com profissionais especialistas no mercado OOH.


A NoAlvo será imediatamente integrada na Eletromidia. Os fundadores permanecem na companhia, beneficiários de um plano de stock option de longo prazo, com foco no desenvolvimento da plataforma tecnológica e de vendas da Eletromídia.


Omega (OMGE3)

O Omega concluiu a incorporação das empresas que integram os Complexo Eólico Hermenegildo e da Asteri Energia, com extinção das empresas incorporadas e, por consequência, cancelamento de todas as ações de sua emissão.


Fonte: InfoMoney


Custos elevados de insumo arrefecem crescimento dos serviços no Brasil


A expansão da atividade de serviços brasileira perdeu força em setembro, uma vez que um recorde nos custos de insumos sobrecarregou empresas e levou a novas altas nos preços cobrados, segundo a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).


O índice divulgado nesta terça-feira pela IHS Markit caiu a 54,6 em setembro, de 55,1 em agosto. Apesar do recuo, o PMI permaneceu acima do nível de 50, que separa crescimento de contração, e o resultado foi o segundo mais alto em mais de nove anos e meio.


De acordo com as empresas consultadas, a expansão do setor foi favorecida pelo abrandamento das restrições relativas à Covid-19 e pela melhora da demanda.


A pesquisa indica que, com a pandemia recuando e o acesso às vacinas melhorando, os consumidores ficaram mais confiantes em sair de casa.


Assim, as encomendas para os fornecedores de serviços aumentaram. Entretanto, embora a demanda doméstica tenha crescido, as vendas internacionais contraíram no fim do terceiro trimestre pela primeira vez em cinco meses.


Apesar das condições de negócios ainda positivas, os fornecedores de serviços sofreram em setembro com a elevação dos preços de alimentos, combustíveis, equipamentos de proteção individual (EPI) e materiais. Esses custos levaram a taxa de inflação dos preços de insumos para um novo recorde.


Todas as cinco grandes áreas do setor de serviços registraram aumentos acelerados nas despesas, sendo os mais acentuados em Serviços ao Consumidor e Transporte e Armazenamento.


“Embora a expansão do setor de serviços continue evoluindo, as evidências de que a inflação aumentou ainda mais incomodarão os elaboradores de políticas públicas e prejudicarão os lucros das empresas”, destacou em nota a diretora associada de economia da IHS Markit, Pollyanna De Lima.


Essas elevações de custos foram repassadas aos consumidores, e o índice de preço de bens finais aumentou também a uma taxa sem precedentes.


“No entanto, os preços de venda aumentaram a um ritmo muito mais lento do que os custos de insumos — apesar de ambos terem atingido níveis recordes —, sugerindo que as empresas absorveram a maior parte das despesas adicionais”, completou De Lima.


Ainda assim, as empresas continuaram aumentando o número de funcionários, com o índice de emprego em alta pelo quarto mês consecutivo e à segunda taxa mais rápida em nove anos.


Os fornecedores de serviços também se mostraram otimistas para próximos 12 meses, com o grau geral de otimismo nos negócios aumentando para uma máxima de 26 meses em setembro.


O crescimento dos serviços somou-se ao da indústria, e o PMI Composto do Brasil –que mede o ritmo de atividade no setor privado como um todo– registrou ligeiro aumento para 54,7 em setembro, de 54,6 em agosto, num ritmo “acentuado” de expansão, segundo a IHS Markit.


Fonte: MoneyTimes


Dólar recua na abertura com realização de ganhos, mas PIM e exterior limitam



O dólar operou em baixa nos primeiros negócios do dia com uma realização parcial, após subir a R$ 5,4465 no mercado à vista na segunda-feira - maior nível desde 27 de abril -, elevando o ganho acumulado a 5% em 30 dias.


O dólar futuro de novembro fechou ontem com valorização de 1,73%, a R$ 5,4775. Os ajustes de baixa, no entanto, são limitados pela alta dos juros dos Treasuries e da moeda americana no exterior.